gototopgototop

Entre Marília e a Pátria

Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 

frei_caneca

 

Político e religioso brasileiro, Joaquim da Silva Rabelo, popularmente conhecido como Frei Caneca, foi uma importante figura histórica nas lutas de libertação nacional em nosso país. Tendo atuado como forte liderança nos movimentos democráticos da Revolução Pernambucana (1817) e da Confederação do Equador (1824), Frei Caneca mobilizou as massas e os intelectuais de Pernambuco para se rebelarem contra as políticas autoritárias de D. Pedro I. Por ser uma figura política de oposição direta à monarquia, Frei Caneca logo foi capturado e sentenciado à forca pelas forças do Império. No entanto, nenhum escravo ou soldado mostrou-se disposto a conduzir seu enforcamento. O Império Brasileiro decretou então seu fuzilamento, com o intuito de enfraquecer os demais movimentos de libertação nacional por meio da execução dessa grande liderança.  Mas o Império não foi capaz de frear as rebeliões do povo brasileiro, como se comprovou nos diversos movimentos que estouraram no primeiro reinado e no período regencial a partir do exemplo das lutas de Pernambuco. Segue abaixo um poema de Frei Caneca em que reafirma seu compromisso de lutar até a morte por sua pátria, bem como sinaliza que as gerações futuras devem levar essa luta adiante.

 


 

Entre Marília e a Pátria - Frei Caneca

Entre Marília e a pátria

Coloquei meu coração:

A pátria roubou-m'o todo;

Marília que chore em vão.

 

Marília, pede a teus filhos,

Por minha própria abenção,

Morram, como eu, pela pátria;

Marília que chore em vão.

 

Apenas forem crescendo,

Cresçam co'as armas na mão,

Saibam morrer, como eu morro;

Marília que chore em vão.

 

Defender os pátrios lares,

É dever do cidadão.

Quando exalem pela pátria;

Marília que chore em vão.

 

RVI