gototopgototop

Inadimplência no FIES desmascara financiamento sem fim dos tubarões do ensino privado

Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 

FIES

 

 Dados divulgados recentemente indicam inadimplência de mais de metade dos contratos do FIES em fase de pagamento. Este programa do governo federal consiste na compra de vagas em faculdades particulares pelo Estado através do Banco do Brasil e da Caixa Economica Federal. De acordo com o contrato, os estudantes tem de começar a quitar as pretações um ano e meio depois de formados, mas não é isto o que tem acontecido. 

Os dados apontam que 53% dos 526,6 mil contratos em fase de pagamento estavam atrasados em setembro de 2016. Os números de 2015, já apontavam R$625 milhões em prestações atrasadas. E isto tem acontecido porque os cursos nas faculdades particulares não tem garantido empregos para a grande maioria dos jovens. Ora, o FIES é destinado a jovens "de baixa renda", com renda familiar mensal bruta de até três salários mínimos por pessoa. Porém, mais da metade das pessoas formadas não estão tendo condições de pagar as mensalidades do financiamento, mesmo com o diploma de Ensino Superior. Isto reflete o tamanho grau que atingiu o desemprego e os baixos salários no país.

E também desmascara a mentira defendida por esses enganadores à testa do velho Estado. O FIES foi anunciado pelo ex-gerentão pró-ianque Luiz Inácio como um complemento para ingressar imediatamente uma grande parcela da população no Ensino Superior enquanto se expandiria a longo prazo as vagas nas universidades públicas. Mas o que tem acontecido é justamente o contrário!  As verbas pras universidades federais tem sido cortadas aos montes desde o gerenciamento Dilma, e agora recebrão cortes tão graves como nunca antes vistos após a aprovação da "PEC do Teto dos Gastos" do reacionário Temer e sua quadrilha de bandidos.

Enquanto isso, os tubarões do ensino privado tem recebido gordas quantias e se empanturrado de dinheiro público. Só em 2016 foram 193 mil novos financiamentos. O auge foi em 2014 com 731,7 mil, um investimento acumulado de R$55,5 bilhões de 2010 a 2016. Em comparação, em 2014 o investimento em todas as Instituições Federais de Ensino (públicas) somadas não ultrapassou os R$ 2,59 bilhões! E ainda por cima, os tubarões do ensino privado tem aumentado o valor das mensalidades inescrupulosamente. O aumento em 2017 foi de mais de 14% nas mensalidades só em Belo Horizonte/MG. Aumento que o governo paga sem pestanejar, condenando à forca os estudantes que forem pegos na arapuca do financiamento.

Somando os montantes do FIES e do PROUNI, o resultado é um rio de dinheiro público jorrando nos bolsos destes engravatados que, além de ser fonte de inúmeras tramóias e esquemas de corrupção com o erário público, tem gerado no Brasil um verdadeiro "tubarão-baleia" dos monopólios do ensino superior. A Kroton Educacional, dona da rede Pitágoras, da faculdade Unopar e muitas outras, graças ao aumento da sua renda com as "programas sociais" do governo, saiu a engolir outros tubarões menores: em 2014 comprou a Anhanguera e agora bola seus conchavos com o Estado pra comprar a Estácio de Sá, numa expansão sem fim, desde que se tornou a maior empresa de ensino superior do mundo. Apenas no ano de 2013, antes da compra da Anhanguera, o faturamento da Kroton já era de quase 300 milhões de reais por ano. Em 2015, após as "aquisições", a bolada anual passou dos R$ 455 milhões, em lucro líquido, sendo que mais de 60% dos seus alunos presenciais desse ano foram matriculados através do FIES.

E é justamente para enriquecer ainda mais estes milionários que esses programas foram criados, a mando do FMI e do Banco Mundial, e são cumpridos a risca pelas gerências do PT e da "oposição" do PMDB. Recentemente, o gerente-capacho Michel Temer enviou seu ministro da educação, o calhorda Mendoncinha, para fazer campanha no Congresso Nacional e pressionar o bando de sanguessugas para que aprovassem com rapidez o projeto autorizando a liberação de mais de R$ 1,1 bilhão para o Ministério da Educação, sendo R$ 702,5 milhões para Fies, isto é, mais de 60%! É velho Estado brasileiro, de grandes burgueses e latinfudiários, "socorrendo" os tubarões em meio a crise.

Ao passo que os ricos ficam mais ricos, nossa juventude em busca de melhores condições de vida, vai sendo submetida a financiamentos infindáveis com falsas propagandas  de um futuro melhor. Com este Programa de Endividamento Estudantil, a gerência Temer empurra cada vez mais as massas de jovens para uma encruzidalha cruél: os que tentam escapar do desemprego que se agiganta cada dia mais, caem nas garras dos banqueiros e ainda ficam reféns de um diploma de faculdade privada. Estas, com suas formações rasas e superficiais, não tem o menor compromisso com a formação dos seus alunos, o que querem é ver lotar suas salas de aula com vagas compradas pelo governo, garantia de recebimento das suas boladas. Enquanto fornecem cursos precários, aligeirados e sem profundidade alguma, deixando os estudantes do povo alheios do verdadeiro acesso à ciência e ao conhecimento acumulado pela Humanidade até hoje.

Mas isto é retrato de um Brasil do capitalismo burocrático e que logo terá seu fim. O povo segue se preparando, se rebelando e logo explodirão as grandes labaredas de fogo da Revolução de Nova Democracia Ininterrupta ao Socialismo, para a derrubada completa desta velha ordem. E quando for inaugurada a República de Nova Democracia em nosso país, ergueremos universidades públicas e gratuitas em todos os cantos desta terra e veremos a ciência e a técnica sendo colocadas verdadeiramente a serviço do povo no campo e na cidade!

 

Celebrações

Facebook

Teses

Jornal A Nova Democracia

FERP (Chile)